Pular para o conteúdo principal

Coletivo Desvelo apresenta “Praga da Dança” nos dias 10 e 11 de março em São Paulo



No dia 10, grupo de bailarinos se apresentará em frente Biblioteca Prestes Maia, às 14h. No dia 11, a apresentação será em frente ao Ponto de Leitura de São Mateus, também às 14h


Com apresentações nesta quinta (10/03) e sexta-feira (11/03), o Coletivo Desvelo levará a “Praga da Dança” para mais dois pontos de cultura da cidade de São Paulo. Desta vez, as apresentações serão em frente à Biblioteca Prestes Maia, no dia 10, às 14h; e em frente ao Ponto de Leitura de São Mateus, no dia 11, também às 14h. O espetáculo é gratuito.

Livremente inspirado no fenômeno de mesmo nome ocorrido na França em meados do século XVI,

“Praga da Dança” traz para as ruas da cidade a experiência de contaminação, de se exaustar para contaminar, a fim de instigar o público na ocupação dos espaços de circulação, imergindo assim numa grande dança celebração.

Trata-se de um efêmero acontecimento cênico nas ruas da cidade que traz à tona para os corpos presentes uma disputa dos limites físicos e mentais, atingindo colapsos entre matéria e espírito.

Praga da Dança evoca reminiscências corporais. Uma lembrança da dança oculta de cada corpo embarcando em um transe enfermo e místico com intuito de atingir sua exaustão para uma contaminação direta entre espaço, público e artistas.

A Praga da Dança

A Praga da Dança, ou Epidemia de Dança foi um caso de dançomania ocorrido em Estrasburgo, na França em julho de 1518. Na ocasião, diversas pessoas dançaram sem descanso por dias a fio e, no período de aproximadamente um mês, a maioria veio a falecer em consequência de ataques cardíacos, derrames ou exaustão.

O fenômeno teve início quando uma mulher, Frau Troffea, começou a interpretar passos frenéticos de dança numa rua da cidade de Estrasburgo aparentemente sem qualquer motivo. O fenômeno continuou a manifestar-se em torno de quatro a seis dias e numa semana, outras trinta e quatro pessoas já integravam a dançomania, sendo que, passado um mês, havia aproximadamente 400 dançarinos nas ruas.

Documentos históricos, incluindo "observações médicas, sermões catedráticos, crônicas locais e regionais, e mesmo notas divulgadas pelo conselho municipal de Estrasburgo" esclarecem que as vítimas estavam a interpretar passos de dança e não apenas se contorciam de forma aleatória. 

O motivo de essas pessoas dançarem obstinadamente até o esgotamento de suas energias jamais foi identificado.


Inspirado por este evento, o Coletivo Desvelo, por meio das danças contemporâneas, navega pelas memórias das sensações a fim de dar continuidade à praga: a praga volta, a praga pega.

Sobre o Coletivo Desvelo – O Coletivo Desvelo surge em 2013 com intuito de aproximar os artistas envolvidos a partir das somas e particularidades vivenciadas por cada intérprete presente. O objetivo é encontrar uma estética plural e coesa entre as danças contemporâneas e a relação do ser em sua dimensão cotidiana. A princípio, com trabalhos de dança voltados para a fotografia, teve sua primeira ação intitulada “Janela do Vazio”, onde a discussão da solidão e das relações de afeto, questiona a necessidade de fazer parte de algo, ou de uma tribo para se fazer necessário na sociedade. Já em 2015, com a criação do espetáculo de rua “Praga da Dança” (contemplado pelo Programa VAI I), o coletivo faz um resgate através de relatos e registros acometidos em meados do século XVI, onde uma manifestação de mesmo nome levou a França e suas autoridades ao caos/celebração dançante.

SERVIÇO:

Espetáculo de rua “Praga da Dança”

Coletivo Desvelo

Apresentação no dia 10/03 (quinta-feira), às 14h, em frente à Biblioteca Prestes Maia, à Av. João Dias, 822, Santo Amaro, São Paulo, SP.

Apresentação no dia 10/03 (sexta-feira), às 14h, em frente ao Ponto de Leitura de São Mateus, à R. Fortaleza de Itapema, 268, Jardim Vera Cruz, São Paulo, SP.

Espetáculo gratuito

Duração: 45 minutos

Classificação etária: livre

FICHA TÉCNICA

Direção e Concepção: Djalma Moura

Intérpretes-Criadores: Heloísa Amazonas, Mônica Caldeira, Victor Amaro, Juliana Nascimento e Djalma Moura.

Criação Musical: Leandro Perez

Figurino: Coletivo Desvelo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dançando na natureza: Pousada Faraó

Dia 31/05 fomos tomar café da manhã com Margarida Mittelbach, na Pousada A Marca do Faraó, em Cachoeiras de Macacu.





Uma promessa antiga agora cumprida, pois há muito a Margarida nos convida para conhecer as instalações de sua pousada, onde organiza trimestralmente um final de semana com oficinas de dança, bailes e atividades de lazer.








Realmente, um lugar aprazível, com lago com caiaque, lago para pesca, cachoeira, rios, boliche, sauna, jogos de mesa, enfim, toda uma infra-estrutura de pousada.











Mas, como estamos tratando com amantes da dança, todas essas opções de lazer eram supérfluas pois o que importava mesmo eram as aulas, em três ambientes distintos, onde se revezaram os professores Juarez (Itaguaí), Edu Cigano (Friburgo), Carlinhos (Jaime Arôxa Niterói), Valdeci de Souza e Jimmy de Oliveira.

A dança como inclusão social

Dia 5, sexta-feira passada, fomos convidados por Sheila Aquino para a pré-estréia do espetáculo "Ensaio Geral”, dirigido a familiares do elenco, imprensa e convidados especiais. A apresentação foi no Teatro do Espaço Criança Esperança, em Ipanema, e inspirou-me a fazer esta matéria especial sobre a impressionante estrutura do local e suas atividades dirigidas à comunidade.

Um local privilegiado
Erguido na encosta do morro do Cantagalo, o edifício que abriga o Espaço Criança Esperança (ECE) do Rio de Janeiro foi o outrora Panorama Palace Hotel, com entrada pela Rua Alberto de Campos 12. Com magnífica vista para a Lagoa Rodrigo de Freitas e seu entorno, o hotel possuía sete elevadores (hoje com três ainda em funcionamento), quadras, piscinas, salões e teatro.
Com o advento da Revolução Militar de 31/03/1964, os acionistas estrangeiros abadonaram o empreendimento e as dívidas com impostos estaduais e municipais foram aumentando, até que foi a leilão, em 1982. Quando Leonel Brizola foi …

Veja aqui o roteiro de bailes e eventos de julho/18, dos patrocinadores e apoiadores da ed. 130 do JFD

S E G U N D A S
Baile da Melhor Idade do Club Municipal Na Tijuca, todas as segundas, das 16 às 20h. Inf.: 2569-4822 Banda Sol e Mar no Mauá de São Gonçalo Dia 09/07, das 18 às 22h, comemorando o aniversário do prof. Genilton Muniz. Dançarinos de Apoio. Inf. 97353-8170.
T E R Ç A S
Baile da Conceição da Bahia Na Tijuca, Inf.: 2288-2087 / 9-9679-3628. Tijuca Tênis Clube Inf. (21) 3294-9300. Terça dançante da Gaúcha Toda terça, 20h, na churrascaria Gaúcha. Inf. 2558-2558. V. anúncio nesta edição. Baile do Studio de Dança Flávio Marques No Centro do Rio, toda terça, 12h. Inf. 2223-0530 / 9.9745-2305. Baile de tango no Studio Marquinhos Copacabana Às terças, 19h. Inf. 981-795-710.
Q U A R T A S
Quarta dançante na Gaúcha Toda quarta, 20h, na Churrascaria Gaúcha. V. anúncio nesta edição. Inf. 2558-2558. Dançando na Quarta Na Tijuca, Casa dos Poveiros. Inf. 2578-4361 / 7830-3009. Quartas Democráticas Na Lapa, toda quarta, no Clube dos Democráticos, forró ao vivo. Inf. 2252-4611. Baile dos Amigos da Dança, na Taq…