Pular para o conteúdo principal

Dia Nacional do Samba


IPHAN declara o samba do Rio como patrimônio nacional


A idéia de se estabelecer um dia para homenagear o samba surgiu no encerramento do I Congresso Nacional, realizado entre os dias 28 de novembro e 2 de dezembro de 1962, onde se consagrou o Dia do Samba.


Fora isso, a data de 02 de dezembro de 2007 comemorou não só o dia do samba, mas os 90 anos de ‘Pelo Telefone’ e o reconhecimento do Samba do Rio como Patrimônio do Brasil, reconhecimento esse feito pelo IPHAN, que registrou o samba carioca e suas matrizes (samba de terreiro, partido alto e samba enredo) no Livro de Registro das Formas de Expressão do Instituto. Sem dúvida o reconhecimento aos artistas e a todos aqueles que ao longo de muitos anos fizeram do samba a maior expressão da cultura popular brasileira.

Para registrar a data, o Falando de Dança traz a seguir um texto escrito pela professora Carla Salvagni, a respeito das origens do samba.

Ao contrário do que muitos pensam, o samba não é um ritmo vindo da África, nem de origem indígena, como já foi publicado em periódicos de dança de salão. Ele é legitimamente brasileiro, com grande influência da cultura negra e indígena, mas também com características de músicas européias da época. Mais do que um ritmo, o samba tornou-se a própria identidade musical brasileira.
Sua história é controvertida, os registros são precários, mas sabe-se que, a partir de 1870, por influência e mistura do lundu, polca, habanera, tango (brasileiro), maxixe (reprimido e excomungado pelos padrões burgueses da época), ritmos percussivos de origem africana como o batuque, começaram a aparecer músicas já muito próximas do que hoje conhecemos por samba. Apesar
das discussões se este seria realmente um samba, “Pelo Telefone” (de Donga e Mauro de Almeida) é considerado oficialmente o primeiro samba gravado no Brasil, em 1917.
Quanto ao nome, alguns acreditam que o termo “samba” era usado pelos escravos para designar uma dança. Outros afirmam que o termo vem de “semba”, termo africano que significa “umbigada”, gesto típico das danças do batuque. Há ainda outras correntes, outras versões.
A pesquisadora Marília Trindade Barbosa da Silva acredita que por trás de toda escola de samba existe um terreiro de macumba. Nesses terreiros eram cultivados e desenvolvidos os alicerces do samba. Uma das casas mais famosas era da baiana Tia Ciata, no Rio de Janeiro. Lá se reuniam Sinhô, Donga, Pixinguinha, João da Baiana, Heitor dos Prazeres e muitos outros nomes de destaque. Tia Ciata é um mito da cultura popular brasileira: uniu o sagrado e o profano, reuniu brancos e negros, mesclou cantos e danças com o prazer e com a fé. Sua casa foi um dos principais focos de resistência da cultura negra e de sua propagação.
Na segunda metade dos anos vinte, o samba toma impulso com o rádio e estimula a criação das escolas de samba. Em quase oito décadas de existência oficial, o samba evoluiu e se ramificou para várias formas, onde estão incluídas o partido alto, o samba de morro, o samba de breque, pagode, samba-rock, samba de gafieira e muitos outros.
Para se aprofundar no assunto, procure os seguintes autores: Marília T. Barbosa da Silva, Ary Vasconcellos, Lygia Santos, Luiz Carlos Mansur, Sérgio Cabral, Eneida Moraes, Marcelo Moraes, José Ramos Tinhorão e Tárik de Souza.
Quanto ao samba internacional, ele mais fiel ao nosso samba que a vã sabedoria poderia supor. Mas isso é outra história...

Por Carla Salvagni

  • Carla Salvagni é proprietária de escola especializada em dança de salão, em São Paulo, e presidente da Confederação Brasileira de Dança Espotiva.
  • Para saber mais sobre Carla Salvagni, acesse seu site, www.carlasalvagni. com.br
  • Veja também nesta página mais postagens com matérias de Carla Salvagni e de suas atividades (clique em seu nome no índice das postagens).
  • Fotos: acervo IPHAN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dançando na natureza: Pousada Faraó

Dia 31/05 fomos tomar café da manhã com Margarida Mittelbach, na Pousada A Marca do Faraó, em Cachoeiras de Macacu.





Uma promessa antiga agora cumprida, pois há muito a Margarida nos convida para conhecer as instalações de sua pousada, onde organiza trimestralmente um final de semana com oficinas de dança, bailes e atividades de lazer.








Realmente, um lugar aprazível, com lago com caiaque, lago para pesca, cachoeira, rios, boliche, sauna, jogos de mesa, enfim, toda uma infra-estrutura de pousada.











Mas, como estamos tratando com amantes da dança, todas essas opções de lazer eram supérfluas pois o que importava mesmo eram as aulas, em três ambientes distintos, onde se revezaram os professores Juarez (Itaguaí), Edu Cigano (Friburgo), Carlinhos (Jaime Arôxa Niterói), Valdeci de Souza e Jimmy de Oliveira.

A dança como inclusão social

Dia 5, sexta-feira passada, fomos convidados por Sheila Aquino para a pré-estréia do espetáculo "Ensaio Geral”, dirigido a familiares do elenco, imprensa e convidados especiais. A apresentação foi no Teatro do Espaço Criança Esperança, em Ipanema, e inspirou-me a fazer esta matéria especial sobre a impressionante estrutura do local e suas atividades dirigidas à comunidade.

Um local privilegiado
Erguido na encosta do morro do Cantagalo, o edifício que abriga o Espaço Criança Esperança (ECE) do Rio de Janeiro foi o outrora Panorama Palace Hotel, com entrada pela Rua Alberto de Campos 12. Com magnífica vista para a Lagoa Rodrigo de Freitas e seu entorno, o hotel possuía sete elevadores (hoje com três ainda em funcionamento), quadras, piscinas, salões e teatro.
Com o advento da Revolução Militar de 31/03/1964, os acionistas estrangeiros abadonaram o empreendimento e as dívidas com impostos estaduais e municipais foram aumentando, até que foi a leilão, em 1982. Quando Leonel Brizola foi …

Veja aqui o roteiro de bailes e eventos de julho/18, dos patrocinadores e apoiadores da ed. 130 do JFD

S E G U N D A S
Baile da Melhor Idade do Club Municipal Na Tijuca, todas as segundas, das 16 às 20h. Inf.: 2569-4822 Banda Sol e Mar no Mauá de São Gonçalo Dia 09/07, das 18 às 22h, comemorando o aniversário do prof. Genilton Muniz. Dançarinos de Apoio. Inf. 97353-8170.
T E R Ç A S
Baile da Conceição da Bahia Na Tijuca, Inf.: 2288-2087 / 9-9679-3628. Tijuca Tênis Clube Inf. (21) 3294-9300. Terça dançante da Gaúcha Toda terça, 20h, na churrascaria Gaúcha. Inf. 2558-2558. V. anúncio nesta edição. Baile do Studio de Dança Flávio Marques No Centro do Rio, toda terça, 12h. Inf. 2223-0530 / 9.9745-2305. Baile de tango no Studio Marquinhos Copacabana Às terças, 19h. Inf. 981-795-710.
Q U A R T A S
Quarta dançante na Gaúcha Toda quarta, 20h, na Churrascaria Gaúcha. V. anúncio nesta edição. Inf. 2558-2558. Dançando na Quarta Na Tijuca, Casa dos Poveiros. Inf. 2578-4361 / 7830-3009. Quartas Democráticas Na Lapa, toda quarta, no Clube dos Democráticos, forró ao vivo. Inf. 2252-4611. Baile dos Amigos da Dança, na Taq…