Pesquisar:

BLOG FALANDO DE DANÇA, BY LEONOR COSTA

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Dia Internacional da Dança



Sobre a data
A data, instituída em 1982 pelo Comitê Internacional da Dança da UNESCO, foi escolhida por ser a do nascimento de Jean-Georges Noverre (29 de abril de 1727 - 19 de outubro de 1810), bailarino e professor de balé francês, considerado o criador do balé moderno, formulador das bases cênicas da dança no século dezoito e autor de "Cartas sobre a Dança e os Ballets", livro fundamental até hoje para estudar a teoria e a prática da Dança.
“Entre os objetivos do Dia da Dança estão o aumento da atenção pela importância da dança entre o público geral, assim como incentivar governos de todo o mundo para fornecerem um local próprio para dança em todos sistemas de educação, do ensino infantil ao superior. Enquanto a dança tem sido uma parte integral da cultura humana através de sua história, não é prioridade oficial no mundo. Em particular, o prof. Alkis Raftis, presidente do Conselho Internacional de Dança, disse, em seu discurso em 2003, que em mais da metade dos 200 países no mundo a dança não aparece em textos legais (para melhor ou para pior!). Não há fundos no orçamento do Estado alocados para o apoio a este tipo de arte. Não há educação da dança, seja privada ou pública.”
Fonte: Wikipédia


Um pouco de história da dança social (*)
  • As primeiras danças sociais surgiram no séc.14 (base dance, praticado entre 1350 e 1550, e o pavane, praticado entre 1450 e 1650), sendo dançadas exclusivamente por nobres e aristocratas.
  • No séc. 17 o minueto dominava os salões. Os pares eram abertos, os dançarinos se saudavam continuamente com passinhos e reverências cerimoniosas, os membros não gesticulavam e o corpo era mantido ereto. Era uma dança difícil mas que tornou a dança social bastante popular.
  • No séc. 19 a valsa é introduzida nos sofisticados salões europeus e determina o fim da era do minueto.
  • No séc. 20 vieram a polka, o two-step, o fox-trot e o tango. A dança social é batizada pelos ingleses de Ballroom Dancing (dança de salão) e foram estes os primeiros a tentar pesquisá-la, estudá-la, nomeá-la, codificá-la, estabelecer as regras de cada uma delas. O que mais tarde possibilitou a criação dos campeonatos de dança.

  • No Brasil, o Lundu, praticado no séc. 18, era uma mistura de batuques africanos e ritmos portugueses, sendo considerado por alguns estudiosos como o primeiro ritmo afro-brasileiro aceito pelos brancos.
  • O Maxixe, ritmo derivado da umbigada e do lundu, foi a primeira dança considerada autenticamente brasileira e teve sua origem em bairros de contingentes negros do Rio, como Saúde e Cidade Nova.
  • O Maxixe foi apresentado aos salões americanos e europeus a partir de 1870, misturando passos de polca, tango e lundu. Virou moda nos cafés europeus no início do séc XX e era conhecido como “Brazilian Tango”. Muitos livros foram publicados à época sobre essa dança, como o que ilustra esta matéria (livro de autoria de J.Storoni, de 1870).
  • Na época do Império, a dança de salão era tão popular nas festas chiques da aristocracia que os professores de dança gozavam de grande status e consideração. Dizia-se que enquanto as famílias mandavam buscar seus professores de dança em casa, em suas chiques carruagens, o pobre professor de língua estrangeira tinha que se deslocar a pé e era o último a ser remunerado.
"Tendo chegado a esta corte Philipe Caton e sua mulher, têm a honra de participar ao respeitável público que pretendem dar lições de dança tanto em sua casa como em casas particulares; também darão lições em um ou dois colégios; advertem que ensinam todas as danças de costume e os mais bonitos boleros de sala, minuetos de diferentes modos como se usa em Montevidéu e Buenos Aires..." (reprodução de anúncio veiculado no Jornal do Commercio, em 12-10-1840)
(*)Artigo escrito por mim para a ed. 73 do Dance News (20 de junho de 2006)
Fotos pesquisadas na Internet (por ordem, de cima para baixo): gravura de Jean-Georges; escravos dançando Lundu, em gravura de Rugendas; capa do livro de J. Storoni sobre Maxixe (o cavalheiro é o Duque do Amapá); gravura de época de casal dançando maxixe.
Seguem alguns links das minhas pesquisas, caso alguém queira se aprofundar mais no assunto (alguns sites estão em inglês):
Se alguém quiser dar sua contribuição, informando mais sites de pesquisa, por favor fique à vontade para postar os links, clicando na palavra "comentários" abaixo deste post . Sugestões de links para vídeos de danças aqui citadas também serão bem vindos.

Nenhum comentário:

Postagens populares