Pular para o conteúdo principal

Coletivo Desvelo apresenta “Praga da Dança” nos dias 10 e 11 de março em São Paulo



No dia 10, grupo de bailarinos se apresentará em frente Biblioteca Prestes Maia, às 14h. No dia 11, a apresentação será em frente ao Ponto de Leitura de São Mateus, também às 14h


Com apresentações nesta quinta (10/03) e sexta-feira (11/03), o Coletivo Desvelo levará a “Praga da Dança” para mais dois pontos de cultura da cidade de São Paulo. Desta vez, as apresentações serão em frente à Biblioteca Prestes Maia, no dia 10, às 14h; e em frente ao Ponto de Leitura de São Mateus, no dia 11, também às 14h. O espetáculo é gratuito.

Livremente inspirado no fenômeno de mesmo nome ocorrido na França em meados do século XVI,

“Praga da Dança” traz para as ruas da cidade a experiência de contaminação, de se exaustar para contaminar, a fim de instigar o público na ocupação dos espaços de circulação, imergindo assim numa grande dança celebração.

Trata-se de um efêmero acontecimento cênico nas ruas da cidade que traz à tona para os corpos presentes uma disputa dos limites físicos e mentais, atingindo colapsos entre matéria e espírito.

Praga da Dança evoca reminiscências corporais. Uma lembrança da dança oculta de cada corpo embarcando em um transe enfermo e místico com intuito de atingir sua exaustão para uma contaminação direta entre espaço, público e artistas.

A Praga da Dança

A Praga da Dança, ou Epidemia de Dança foi um caso de dançomania ocorrido em Estrasburgo, na França em julho de 1518. Na ocasião, diversas pessoas dançaram sem descanso por dias a fio e, no período de aproximadamente um mês, a maioria veio a falecer em consequência de ataques cardíacos, derrames ou exaustão.

O fenômeno teve início quando uma mulher, Frau Troffea, começou a interpretar passos frenéticos de dança numa rua da cidade de Estrasburgo aparentemente sem qualquer motivo. O fenômeno continuou a manifestar-se em torno de quatro a seis dias e numa semana, outras trinta e quatro pessoas já integravam a dançomania, sendo que, passado um mês, havia aproximadamente 400 dançarinos nas ruas.

Documentos históricos, incluindo "observações médicas, sermões catedráticos, crônicas locais e regionais, e mesmo notas divulgadas pelo conselho municipal de Estrasburgo" esclarecem que as vítimas estavam a interpretar passos de dança e não apenas se contorciam de forma aleatória. 

O motivo de essas pessoas dançarem obstinadamente até o esgotamento de suas energias jamais foi identificado.


Inspirado por este evento, o Coletivo Desvelo, por meio das danças contemporâneas, navega pelas memórias das sensações a fim de dar continuidade à praga: a praga volta, a praga pega.

Sobre o Coletivo Desvelo – O Coletivo Desvelo surge em 2013 com intuito de aproximar os artistas envolvidos a partir das somas e particularidades vivenciadas por cada intérprete presente. O objetivo é encontrar uma estética plural e coesa entre as danças contemporâneas e a relação do ser em sua dimensão cotidiana. A princípio, com trabalhos de dança voltados para a fotografia, teve sua primeira ação intitulada “Janela do Vazio”, onde a discussão da solidão e das relações de afeto, questiona a necessidade de fazer parte de algo, ou de uma tribo para se fazer necessário na sociedade. Já em 2015, com a criação do espetáculo de rua “Praga da Dança” (contemplado pelo Programa VAI I), o coletivo faz um resgate através de relatos e registros acometidos em meados do século XVI, onde uma manifestação de mesmo nome levou a França e suas autoridades ao caos/celebração dançante.

SERVIÇO:

Espetáculo de rua “Praga da Dança”

Coletivo Desvelo

Apresentação no dia 10/03 (quinta-feira), às 14h, em frente à Biblioteca Prestes Maia, à Av. João Dias, 822, Santo Amaro, São Paulo, SP.

Apresentação no dia 10/03 (sexta-feira), às 14h, em frente ao Ponto de Leitura de São Mateus, à R. Fortaleza de Itapema, 268, Jardim Vera Cruz, São Paulo, SP.

Espetáculo gratuito

Duração: 45 minutos

Classificação etária: livre

FICHA TÉCNICA

Direção e Concepção: Djalma Moura

Intérpretes-Criadores: Heloísa Amazonas, Mônica Caldeira, Victor Amaro, Juliana Nascimento e Djalma Moura.

Criação Musical: Leandro Perez

Figurino: Coletivo Desvelo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dançando na natureza: Pousada Faraó

Dia 31/05 fomos tomar café da manhã com Margarida Mittelbach, na Pousada A Marca do Faraó, em Cachoeiras de Macacu. Uma promessa antiga agora cumprida, pois há muito a Margarida nos convida para conhecer as instalações de sua pousada, onde organiza trimestralmente um final de semana com oficinas de dança, bailes e atividades de lazer. Realmente, um lugar aprazível, com lago com caiaque, lago para pesca, cachoeira, rios, boliche, sauna, jogos de mesa, enfim, toda uma infra-estrutura de pousada. Mas, como estamos tratando com amantes da dança, todas essas opções de lazer eram supérfluas pois o que importava mesmo eram as aulas, em três ambientes distintos, onde se revezaram os professores Juarez (Itaguaí), Edu Cigano (Friburgo), Carlinhos (Jaime Arôxa Niterói), Valdeci de Souza e Jimmy de Oliveira. Claro que as comidinhas caiam muito bem com o clima de montanha do local. Mas até o almoço e o jantar eram dançantes, com uma pausa pa

Personagens da nossa história: Mário Jorge, o Rei dos Salões

Mário Jorge, o Rei dos Salões Ele foi um dos maiores dançarinos – se não o maior – de nossos salões. Isto dito por inúmeras testemunhas que o viram criar nas pistas movimentos hoje incorporados definitivamente aos ritmos dançados a dois. Um trágico acidente o retirou das pistas e ele virou lenda. Décadas mais tarde, ao ser homenageado em um evento, eis que ele encontra a mulher da sua vida, que o ajudaria em sua reabilitação e o colocaria novamente sob as luzes dos holofotes. Estamos falando de MÁRIO JORGE MESSIAS MATOS, o “rei dos salões”, como era chamado nos anos sessenta, que recentemente oficializou sua união com D. Íris Neira, queridíssima administradora da Academia Carlos Bolacha. Foi o casamento mais comentado dos últimos tempos (foto abaixo). “Nem provei do buffet, pois não paravam de nos fotografar”, comentou Íris. . Empenhada em pesquisar e divulgar a história do marido (“muitas fotos se perderam e, dos filmes, só consegui recuperar dois, que precisam ser restaurados”),

Comunicado importante: links para acessar nosso conteúdo

Informamos aos nossos distintos visitantes que este blog está em processo de atualização. Enquanto isso, algumas dicas, caso queiram continuar nos prestigiando como seguidores: As edições do Jornal Falando de Dança poderão ser acessadas diretamente em nossa estante virtual no site Issuu. Baixe o app Issuu e leia as edições a qualquer tempo, em seu dispositivo móvel. Segue o link: www.issuu.com/dancenews. Nossa fanpage no Facebook é atualizada diariamente: https://facebook.com/JornalFalandoDeDanca . O perfil da editora do jornal, Leonor Costa, na mesma rede, também é atualizado diariamente: facebook.com/dancadesalao.bicentenario . As coberturas fotográficas do JFD estão postadas na fan page do JFD no Facebook, segue o link: https://www.facebook.com/pg/JornalFalandoDeDanca/photos/?tab=albums As antigas postagens de fotos desta página ainda poderão ser acessadas pela aba "fotos" ao lado da logo. Livro de visita: enquanto não reativamos aqui nosso livro de visitas, de